22.11.18

Minha história é sobre não ser a Barbie


Quando eu era criança, por volta dos cinco ou seis anos, eu queria ser a Barbie. Eu acreditava nisso de uma maneira tão genuína que era certo, na minha cabeça, que um dia eu teria os cabelos loiros com mechas laranjas que eu pintava num livro da boneca que a minha madrinha me deu.

18.11.18

De para mim (remetente e destinatário)


Eu já não sou aquela que pensava que pra amar tinha que sacrificar tudo, inclusive a mim mesma, que acreditava que amar era sinônimo de abuso e de sempre abrir mão. Pouco resta daquela que só sabia ser par, que só sabia acompanhar, que queria o outro em detrimento de si mesma, em qualquer relação que fosse. Segundo lugar era mais que o suficiente (às vezes nem essa posição eu cobrava), era só
Dar
dar
dar

7.11.18

Do amor real


- Eu não sei, mas estou com várias ideias. Vou sair de casa, não sei pra onde, mas vou. Talvez morar em outro bairro, talvez um intercâmbio em outro país e talvez nem voltar. Estou aberta às opções.

- Eu passei em uma universidade de Portugal quando era mais nova, mas não fui por conta do meu namorado na época, que hoje é o meu marido. Não sabia se ele ia me esperar voltar...

- Amo meu namorado e isso não me impede de alçar coisas maiores, que podem ser decisivas na minha vida. Estou em um momento de sentir a liberdade e sentir que posso fazer tudo o que quero, pela primeira vez. Passei tanto tempo pensando no que os outros queriam... agora é a minha vez.

- Mas você acha isso porque ele não deve ser AQUELA pessoa, sabe? Se fosse, você não teria essa vontade. 

5.11.18

Lynx lynx


Da família Felicidae, felina. Um animago, diriam no mundo bruxo
Ainda que preserve a forma humana, na maior parte do tempo
ostenta olhos de lince
certeiros, profundos, penetrantes
Às vezes pesados, às vezes sorrindo
Uma benção e uma maldição: ela transforma em prece
É preciso enxergar mais longe, aquilo que ninguém se atreveria

31.10.18

Torre de Marselha

Ela tem o poder da desestrutura
desmonta, desfaz
O chão se abre
O corpo em queda-livre
As paredes balançam e os olhos percebem o que não tem mais lugar,
O que era fixo já não é - nunca foi, na verdade
A ilusão é fruto do medo

A cratera se abre
pra que lado eu vou não sei, só não posso voltar
Um segundo que permeia a eternidade
Entre o espaço e a velocidade, o tombo
Tudo balança, roda, gira
Parece parado no instante, mas está uma oitava acima
Situações que se repetem: o que eu ainda posso aprender com esse espelho trincado?

18.10.18

Chiaroscuro


Claro e escuro
Contraste, perspectiva, profundidade
Sem linhas de contorno
Quando os limites dos objetos e do fundo se encontram
Cria-se o volume
Luz e sombra não em oposição, mas em composição
Completude

16.10.18

O dia em que eu enfrentei o medo


Lembro da sensação, mas não tenho memórias exatas do que aconteceu nesse dia
Se eu tivesse, ainda assim, seria difícil usar as palavras pra definir algo que ainda nem consegui nomear
Certas peças que faltam na lembrança do fato, lapsos 
Do que me roxeou o corpo, me levou pedaços de pele e desencadeou inúmeras palpitações
Foram segundos. No máximo um minuto mas não chegou a tanto
O dia em que eu enfrentei o medo