25.5.16

Pra ser aquele alguém


Sabe, eu não acho que eu seja uma pessoa que exige muito de relacionamentos. Na verdade, eu peço somente aquilo que eu acho básico para que uma relação dê certo, mas, se tratando do tempo em que vivemos, no qual tudo é descartável - inclusive o amor: vide prazo de validade - tudo parece pedir de mais e as pessoas insistem em dizer que busco por algo inalcançável. Não acredito nisso.


A simplicidade do que espero de alguém é tão excessiva que, por isso mesmo, pareça ser tão distante. Sei que quando a gente se apaixona, alguém vem e desmonta tudo aquilo o que a gente tinha arrumado depois que a última pessoa que passou pelo nosso coração foi embora, mas alguns detalhes são notáveis e decisivos na hora de pensar em entregar os sentimentos ou não - se você não está tão apaixonado a ponto de ignorar todos os sinais.

Talvez meu texto esteja com um caráter completamente cético, mas esses são resquícios de relacionamentos que tentei me moldar aos padrões do meu ser de desejo. Não sei o porquê, mas a gente tem uma ideia bem idiota de que se aquele cara tão legal souber que na verdade a gente gosta de ouvir Madonna e não Beatles, ele não vai mais gostar da gente. Essa insegurança absurda e doída, que a gente percebe que nem vale a pena - nunca vale a pena não ser você, no matter what.

Eu cansei de tentar fazer com que os outros se sintam melhor em relação a mim. Cansei de buscar caminhos para que isso aconteça. Não quero isso, ao menos que eu esteja de acordo e me reconhecendo em cada ato. Eu não quero ser a namorada perfeita, que senta de pernas cruzadas, não fala palavrão e não come pizza com a mão. Não quero ser sempre a delicada, que fala baixo e que parece uma boneca de corda a esperar pelo próximo comando. 

Então, se em algum momento eu tiver um pingo de escolha nesse processo louco que se chama paixão, eu quero gostar de alguém que não se importe com as minhas olheiras terríveis pela manhã. Nem com o jeito como meu pareço uma criança fazendo birra quando tô irritada. Alguém que não me encha o saco porque saí da academia e posso ganhar uns quilos por isso. Alguém que respeite minhas vontades e verdades, minha autonomia e o meu direito de ser minha, antes de tudo.

Alguém que me ache linda por dentro. Não só porque estou de cabelo liso ou cacheado, loira ou morena, se estou comendo salada ou hambúguer. Se estou toda arrumada ou vestindo uma blusa velha e o cabelo amarrado em um coque. De fato, no mundo em que as pessoas vivem de aparências e de instantes que não valem mais do que meras fotos para o Instagram, talvez eu realmente esteja exigindo muito mesmo.

Mas não vou aceitar menos. Já me basta todos os dias pessoas que nem conheço, comercias na TV e revistas me dizendo como eu deveria ser. Pra estar comigo tem que aceitar quem eu sou e me incentivar a me tornar quem eu quero ser.

6 comentários:

  1. A vida é muito simples! Difícil é ser tão simples.

    ResponderExcluir
  2. I love your choice of pieces, it's super pretty.

    ResponderExcluir
  3. Oiee Florzita! Infelizmente ainda existem pessoas que estão do nosso lado não somente pelo o que somos por dentro , mas somente por aparência. Mas um dia encontramos sempre pessoas sinceras e boas de verdade para nós.
    Beijos,
    Monólogo de Julieta

    ResponderExcluir
  4. Enquanto as pessoas buscam a perfeição elas esquecem de viver e serem elas mesmas.

    Beijo

    ResponderExcluir