13.1.15

O quanto eu quis ficar

"Quando saí da tua vida, bati a porta. Saí morrendo de medo do desejo. Do desejo de ficar." (Otto).

Me pega pelo braço, briga comigo, discorda, dá corda, me olha nos olhos, grita. Mas não fica calado, não me deixa falar sozinha, não me deixa sentir sozinha. Qualquer sinal teu, por mínimo que fosse, e eu teria deixado de lado essa loucura de querer ir embora. Mente pra mim, e me garante que tudo vai ficar bem, que pode dar certo: eu não quero verdades, eu quero você - do jeito que for.

Ainda dá tempo. Por favor, me mostra que eu tô errada! Me faz voltar atrás, porque eu quero. Segura a minha mão e me guia de volta pro teu abraço. Enxuga essa lágrima que escorre pelas minhas bochechas agora. Mas não fica olhando eu me desarrumar pra partir, me desmantelar toda. Não aceita isso. E não me diz que não quer me ver sofrer, porque se realmente não quisesse, jamais me deixaria apertar o botão do elevador.

Não me deixa chegar em casa e colar do lado do celular, não me deixa ter um mini ataque cardíaco cada vez que a campainha tocar e não for você, cada vez que o Whatsapp vibrar e não for uma mensagem sua, cada vez que eu sonhar com você e, quando acordar, não te ver com a cabeça encostada no travesseiro ao lado. Não me deixa acreditar que só valeu de algo pra mim.

Faz uma fogueira, manda sinal de fumaça, dança da chuva, me manda mensagem, ou qualquer outra coisa. Mas se tá confuso, por favor, deixa um presságio, pode ser pequeno, bem pequeninho (do tamanho que o meu coração tá agora, só pra ele saber que pode continuar batendo), mas que me faça ter um fio de esperança. Alguma coisa que me mostre que isso vai passar, daqui a dias ou anos, não importa. Mas não me deixa te amar em vão.

Não me deixa ir embora e levar esse sentimento junto comigo. Não deixa ele morrer. Não me deixa chorar sem consolo, escutar música romântica sem ter pensamento certo. Não deixa os meus textos sem receptor, meu celular sem número na discagem rápida. Não me deixa sem chão. Por favor, não me deixa querer te esquecer, não fica mudo. Porque nada dói mais do que o teu silêncio.

9 comentários:

  1. O silêncio pode ser cruel

    Beijinhos, minha querida*

    ResponderExcluir
  2. r: Muito resumidamente, aquele é o relato das minhas férias e dos passeios que fui dando :)

    ResponderExcluir
  3. Thank you :)

    Have a nice Day Amanda!

    ResponderExcluir
  4. Thank you :)

    Have a nice Day Amanda!

    ResponderExcluir
  5. Tenha um ano de 2015 fantástico!

    Isabel Sá
    http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  6. O silêncio é doloroso, assustador, mas às vezes vem cheios de respostas pra vida.
    Belo texto guria!
    Beijo

    ResponderExcluir
  7. O silêncio é dilacerante quando somos tempestades vivas.
    A dor é tenebrosa, e o desespero pela calmaria é gigante.

    Identidade Aleatória

    O Identidade Aleatória está no facebook!

    ResponderExcluir
  8. Eu sei muito bem como é tudo isso...

    ResponderExcluir
  9. Às vezes ficar é o que queremos, mas não é o certo. O silêncio do outro, de todas as formas possíveis, é algo que dói bastante, mas se ele persiste, é melhor não ficar ao seu lado.

    Beijos
    http://mon-autre.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir